14 fatos que unem Portugal e Natal – uma comparação galada

Destaque

Tudo bem, a comparação talvez seja inválida porque Portugal é um país e, Natal, uma cidadela. E ok, Natal já não é mais aquela noiva do sol de cinco anos atrás, hoje tomada pela violência e cada vez mais longe do provincianismo propalado por Cascudo. Mas, algumas alusões inúteis ao nosso cotidiano são cabíveis. Ora, também temos descendência lusitana. Há quem diga que o descobrimento do Brasil começou por aqui. Até podíamos ter aquele jeitão da belle epóque, afinal, foram os corsários francesas quem desembarcaram aqui primeiro. Mas os portugas afugentaram a galera, se misturaram aos nossos potiguares e tapuias desde 1597 e nosso sangue tem lá sua predominância ibérica se comparado ao tempinho que os franceses e holandeses se aventuraram por cá. Depois disso, a nova invasão seria norte-americana nos cabarés da Ribeira na Segunda Grande Guerra. E só. Então, Portugal está em nós. Vale mesmo uma comparação galada. E interprete a palavra “galada” dentro de sua diversidade, embora sua origem remonte a algo invejoso, já que provém dos homens de paletó nos cabarés dazantiga, em trajes de gala que despertavam a ciumeira entre os menos abastados de Natal, que diziam: “Lá vem os galados”. Mas hoje é adjetivo dos mais versáteis da língua portuguesa, podendo ensejar coisas boas ou ruins, tais quais esses 14 inúteis comparativos. Vejamos:

1)
Portugal foi construído, basicamente, de pedra de calcário e de bálsamo (oriunda de rochas vulcânicas), abundantes na região. Por isso tudo parece sólido, nivelado, padronizado, organizado, sobretudo as calçadas.

Natal foi construída, basicamente, de duna, abundante na região. Por isso nada se sustenta, tudo é móvel, afunda ou exige mais para preservar, cuidar, manter, sobretudo a memória do povo.
sem-titulo

2)
Portugal se orgulha em ser pioneiro na travessia aérea pelo Atlântico Sul, com os aeronautas Gago Coutinho e Sacadura Cabral. Isso em 1922. Ambos eram portugueses.

Natal se orgulha em receber o aviador Jean Mermoz, que atravessou o Atlântico Sul acompanhado de Dabry e Gimie, saídos do Senegal. Isso em 1930. O trio era francês.
sem-titulo

3)
Portugal ergueu estátua monumental do Marquês de Pombal, primeiro ministro do país e notabilizado por reerguer Portugal após o terrível terremoto de 1755.

Natal ergueu estátua bisonha de Dinarte Mariz, ex-governador do RN e notabilizado por uma das maiores arengas do Estado, com o ex-ministro Aluízio Alves.
sem-titulo

4)
Portugal, em cada esquina uma livraria, em cada rua um museu.

Natal, em cada esquina um bar, em cada rua uma casa lotérica.
sem-titulo

5)
Portugal possui igrejas medievais (tantas que seria difícil nomeá-las) e o monumental Mosteiro dos Jerônimos, lindamente preservados, tornados pontos turísticos e patrimônios mundiais.

Natal possui igrejas históricas, como a Matriz de Santo Antônio e a de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, e ainda o Eremitério do Santo Lenho, em Macaíba, abrigo de peças sacras raríssimas e de valor inestimável. Nada inserido sequer em roteiro turístico. sendo o Eremitério praticamente desconhecido mesmo no Estado.
sem-titulo

6)
A República da Universidade de Coimbra parece um hotel onde estudantes saem prontos para o mundo.

A Casa do Estudante de Natal parece um bordel onde estudantes saem fodidos para a aula.
sem-titulo

7)
Motel em Portugal está na faixa dos 25 euros (aproximadamente 100 reais).

Motel em Natal está na faixa dos 40 reais – porque em criatividade e para foder os outros sempre somos melhores.
sem-titulo

8)
A estátua de Fernando Pessoa no centro histórico de Lisboa é disputada por turistas.

A estátua de Câmara Cascudo no centro histórico de Natal é disputada por pichadores.
indio_o3

9)
A Biblioteca de Coimbra está aberta desde 1290.

A Biblioteca Câmara Cascudo está fechada desde 2011.
sem-titulo

10)
Em Portugal se paga moeda de 1 centavo quando o troco exige.

Em Natal se paga 200 para o outro não ganhar 20 quando nada exige.
sem-titulo

11)
Em Portugal para cada prédio ou praça histórica existe um monumento escultural para homenagear figuras históricas.

Em Natal para cada prédio ou praça histórica existe um projeto de restauração parado por burocratas arcaicos.
sem-titulo

12)
A Fortaleza São João da Foz, no Porto, tem mais de 400 anos e divide o Rio Douro do Oceano Atlântico e, preservada, recebe milhares de turistas ao ano.

A Fortaleza dos Reis Magos, em Natal, tem mais de 400 anos e divide o Rio Potengi do Oceano Atlântico e, deteriorada, recebia milhares de turistas ao ano.
sem-titulo

13)
Há quase um século os portugueses devotam sua fé e sua esperança em Fátima.

Há quase um século os natalenses devotam sua fé e sua esperança nos Alves e nos Maias.
sem-titulo

14)
Há quase 500 anos os portugueses desembarcaram em Natal, colonizaram a cidade e tiraram tudo o que puderam. Por isso possuem patrimônios históricos tombados pela Unesco, níveis educacionais elevados e história preservada.

Há quase 500 anos os natalenses foram saqueados por colonizadores portugueses que tiraram tudo o que puderam. Por isso a cidade carece de patrimônios históricos, níveis educacionais elevados e história preservada.
indio_o3

CRÉDITOS: Mosteiro dos Jerônimos (Sergio Vilar), Biblioteca Câmara Cascudo (John Nascimento), Fortaleza dos Reis Magos (Cláudio Abdon).

Share:

Comentários

6 comments

  1. François Silvestre
    François Silvestre 6 outubro, 2016 at 14:28

    Sergio Vilar é um reieira! Um fela da puta incrível. Um escroto indispensável. Que figura, esse fi duma duma égua. Saudade e querendo notícias de sua muleca. Tá só numa ou já tem mais?

  2. Sergio Vilar 6 outubro, 2016 at 20:23

    Portugal tirou tanto que só tenho dinheiro pra sustentar uma, França! rs. Ei, rapaz, tu só vem a Natal nas entoca. Avisa aí para tomarmos uma breja marota!

  3. Thiago Gonzaga
    thiago gonzaga 8 outubro, 2016 at 15:13

    Oi, Sergio, amigo.
    Parabéns pelo seu texto, muito legal, repleto de humor e ironia.
    Confesso que nunca tinha parado para pensar nisso. rs
    Muito pertinente as comparaoes. Acredito que vc deve ter curtido bastante o passeio, e claro, a diferença entre lá e cá. rs
    Vou pedir autorização pra vc para publicar esse seu texto na Revista Kukukaya,
    Abraços e seja bem vindo de volta.

Leave a reply