Escreva, clique aqui. Usuário cadastrado clique aqui
domingo, 21/09/2014 | 6 Comentários

Tempo de brumas

Por François Silvestre

O poema terrível de Bertolt Brecht fala de um tempo sem sol, de guerra, onde se comia no meio da batalha. O grande poeta se via personagem ativo desse tempo, que o obrigava a não silenciar.

Hoje, o Brasil conserva seu tempo de sol, no...

email twitter facebook imprimir
sexta-feira, 09/03/2012 | Comentar

Sob o céu de Natal

Por DAMATA

Amigo Demétrio,

Recebi o belo convite pelo qual muito agradeço a atenção. Sob o céu de Natal estive uma vida. Sob o céu de Paris estive certa vez vindo da Alemanha. Lembro sempre dessa cidade como um bela mulher assim como Natal. Não consegui postar um comentário, mas canto com...

email twitter facebook imprimir
sexta-feira, 09/03/2012 | 2 Comentários

vídeopoema: noturnos

Por Nina Rizzi

[A partir de poemas de Nina Rizzi, o novo filme de Carito Cavalcantii e Joca Soares: NOTURNOS.

Direção e fotografia: Carito Cavalcanti e Joca Soares. Roteiro: Carito Cavalcanti. Edição e finalização: Joca Soares. Voz e poemas: Nina Rizzi. Trilha...

email twitter facebook imprimir
sexta-feira, 09/03/2012 | Comentar

Lotte & Zweig, a vida e a morte

NO OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA

Reproduzido do Diário Catarinense, 28/2/2012; título original: “Livro Lotte & Zweig conta a história misteriosa envolvendo a morte do escritor alemão e sua mulher em Petrópolis em 1942”; intertítulos do OI

No livro Lotte &...

email twitter facebook imprimir
sexta-feira, 09/03/2012 | Comentar

Nossos três russos

Por Paula Scarpin

Há muitas explicações para o sucesso cada vez maior da literatura russa no Brasil. Uma delas é que Tolstói e Dostoiévski andam desembarcando no país sem fazer escalas por outros idiomas. Um fenômeno que deve ser atribuído a três pessoas.

aqui

email twitter facebook imprimir
Posts mais antigos

Poesia //

Ver todas
domingo, 21/09/2014 | 4 Comentários

Víbora

Por Anchieta Rolim

vivo

como um víbora.

 

faminto

como uma víbora.

 

me arrato

como uma víbora.

 

faminto

me arrasto.

 

vivo

como uma víbora.