Escreva, clique aqui. Usuário cadastrado clique aqui
quinta-feira, 24/07/2014 | 3 Comentários
francois

Ariano virou borboleta

Por François Silvestre

Ariano Suassuna saiu do casulo. Encantou-se ou desencantou e virou borboleta. Quando aparecer numa vereda de Riacho dos Cavalos, ou na Marcelina de Tio Quetim, uma borboleta de asas vastas, com as cores da caatinga, não duvide: É Ariano. De...

email twitter facebook imprimir
domingo, 15/04/2012 | Comentar

Os 100 anos do ícone literário A Metamorfose, de Franz Kafka

Por Milton Ribeiro

Em 2012, a clássica novela de Kafka, A Metamorfose, estará completando 100 anos. A marca que ela deixou na cultura ocidental é tão profunda quanto aquela deixada por 1984 de George Orwell e por pouquíssimos outros livros dos...

email twitter facebook imprimir
domingo, 15/04/2012 | 1 Comentário

Morre o poeta Dailor Varela

Por Marcos Silva

É com grande tristeza que registro a morte de Dailor, notícia que recebi de Teresa Maciel, retransmitindo informação dada por Dinorah, irmã dele.
A vida de todos nós acaba. É doloroso assistir ao fim de uma pessoa querida.
Postarei, em seguida, entrevista que Dailor me deu há...

email twitter facebook imprimir
domingo, 15/04/2012 | 9 Comentários

Entrevista inédita de Dailor Varela

Por Marcos Silva

DAILOR VARELA (1945/2012)

(São José dos Campos, SP, 15 de fevereiro de 1998).

MARCOS SILVA – Dailor, eu sei que você nasceu em Anápolis, GO. Como é que você foi parar em Natal, onde boa parte de seu trabalho poético e jornalístico foi feito?

DAILOR VARELA...

email twitter facebook imprimir
domingo, 15/04/2012 | 1 Comentário

Perigo Iminente

Por François Silvestre

Adriano de Souza matou no peito e chutou no ângulo, como diria
Castilho. Nenhum goleiro conseguiu evitar o gol; nem os que sempre estão
à espreita, feito gandulas, para evitar o momento do sucesso alheio.
A Revista Perigo Iminente é um momento,...

email twitter facebook imprimir
Posts mais antigos

Poesia //

Ver todas
quarta-feira, 23/07/2014 | 6 Comentários

Águia

Por Ednar Andrade

águia

Rugas em minha pele
Desenham com tinta sangue, agonias tatuadas.
Navalha fria, corta-me.
A carne inteira geme, anseia sorriso.

Sou a velha águia que retira-se.
SOU
O cão largado no inútil e solitário uivo
Na escuridão dos sem aurora que os acuda.

Cio de cobra ………………..
Ciciar de cigarra. . . . . . .
Piar de ave noturna não é cantar.
É lamento.