Escreva, clique aqui. Usuário cadastrado clique aqui
sexta-feira, 25/07/2014 | Comentar

Entrevista exclusiva de Mano Brown, líder do Racionais MC’s, à CULT

“Eu tenho muita música fora do Racionais, e talvez tenha que apelar para esse arquivo para colocar no disco do grupo”.

aqui

email twitter facebook imprimir
quinta-feira, 07/06/2012 | Comentar

Futuro do passado

Por Carolina Braga‏

Grupo Galpão chegou aos 30 anos flertando com o cinema. Chico Pelúcio filma documentário sobre estreia de Romeu e Julieta, enquanto Inês Peixoto faz curtas sobre releituras de Tchékhov.

aqui

email twitter facebook imprimir
quinta-feira, 07/06/2012 | 2 Comentários
Livro 'Eu e Outras Poesias' - Reprodução

‘Eu e Outras Poesias’, de Augusto dos Anjos, comemora 100 anos

Centenário será celebrado com simpósio, concurso nacional e outras atividades na Paraíba.

aqui

email twitter facebook imprimir
quinta-feira, 07/06/2012 | Comentar

Cinema brasileiro – ditadura e democracia

Por Eduardo Escorel

O cinema brasileiro terá sido omisso ao deixar de lado os crimes cometidos por policiais e militares, a serviço do Estado, entre 1964 e 1985?

aqui

email twitter facebook imprimir
quinta-feira, 07/06/2012 | 1 Comentário

Dalton Trevisan vence o Prêmio Machado de Assis 2012

NO PROSA ONLINE – O GLOBO

O escritor curitibano Dalton Trevisan foi anunciado nesta quarta-feira como vencedor do Prêmio Machado de Assis 2012, o mais importante concedido pela Academia Brasileira de Letras. Dalton foi contemplado pelo...

email twitter facebook imprimir
Posts mais antigos

Poesia //

Ver todas
sexta-feira, 25/07/2014 | 1 Comentário

Lábius

Por Oreny Junior

beijos soam nos lábios em batom com bola em lábios inferiores superiores lábios doce cor morango gelatinando no visgo viscoso desse mel de desejos sonhando no pau sonâmbulo em pêndulo entrincheirando seu vértice sua cova sua cava no curral dessa vaca babando o capim com sal do ébano de orpheu nu jardim onde os ratos sofejam a doce melodia da meia noite ratazanas desmaiam e amanhece o sol amarela o vermelhidão da noite anterior e a cidade cheira e não encontro os dormentes da linha férrea onde pudesse envenenar-me com os cogumelos úmidos que teimaram em renascer e marcar um novo encontro quando os lábios não mais se conheciam e as tetas não acendiam em ângulo reto mostrando o norte do cabaré da morte