Escreva, clique aqui. Usuário cadastrado clique aqui
terça-feira, 22/07/2014 | 1 Comentário

João Ubaldo

Por Woden Madruga
NA TRIBUNA DO NORTE

A primeira passagem de João Ubaldo Ribeiro por Natal foi nos idos de 1978, maio daquele ano quando aqui se realizou a I Semana de Cultura Nordestina, uma promoção da UFRN com o apoio do Governo do...

email twitter facebook imprimir
terça-feira, 03/07/2012 | Comentar

O grande e o pequeno

Por Paulo Roberto Pires

Dentre os convidados da décima Flip, Jonathan Franzen é autor do maior livro de ficção: 608 páginas. Alejandro Zambra (foto), do menor: 94 páginas. Liberdade traz, em seu título, grandiloquência. Bonsai, miniatura.

aqui

email twitter facebook imprimir
terça-feira, 03/07/2012 | Comentar

Marvel Now – Editora vai fazer relançamento de principais séries

Títulos remodelados saem a partir de outubro – serão mais de 20.

aqui

email twitter facebook imprimir
terça-feira, 03/07/2012 | 1 Comentário

Audaciosamente indo aonde os gêneros literários se encontram

Por Antonio Luiz M. C. Costa

Uma discussão recorrente na ficção científica, assim como entre os leitores de obras de fantasia, terror, policiais e similares é se um texto pode ser ao mesmo tempo um paradigma do gênero e uma obra respeitável como literatura sem...

email twitter facebook imprimir
terça-feira, 03/07/2012 | 1 Comentário

Por menos jornalismo

Por Everton Dantas
NO NOVO JORNAL

A título de esclarecimento geral é preciso lembrar a quem esqueceu (ou não sabe mesmo) que não pode ser chamado de jornalismo o fato de ter um blog, somente. Ou um twitter, aparentemente. Nem tão pouco pode ser caracterizada como tal...

email twitter facebook imprimir
Posts mais antigos

Poesia //

Ver todas
sábado, 19/07/2014 | 5 Comentários

Estrada e pedra azul

Por Lívio Oliveira

Aprendo o tempo que me escapa lento
as f(r)ases trincadas da vida o meio-do-mundo vazio
enquanto dito os passos rijos aos meus pés
subindo a íngreme montanha da qual trarei a pedra
aquela pedra azul me guardará no eterno calado
eu sei: a minha vida e não sei porque flui e baila
aguardo e salto com os dentes os novos acontecimentos
que estão molhados sob o sol e secos sob a chuva
não me perturbo e sigo a cauda do cometa antigo
até onde me levar que eu esteja lá completo e são
e a coragem venha ao meu alcance na estrada
as botas suportem o trajeto duro ilhado
até o ponto em que eu não mais esteja.