Agenda

Veronica Botelho lança livro de crônicas em Natal

veronica-botelho_capa

Na próxima quinta-feira (15), a partir das 18h30, na Livraria Saraiva do Midway Mall, a colaboradora deste Substantivo Plural, Veronica Botelho, lançará seu primeiro livro, intitulado Meias Verdades. Em janeiro, será a vez de Pipa, na Pizzaria Caligula.

São oito crônicas baseadas em histórias reais do cotidiano da autora, cuja intenção é dar outra visão a situações presenciadas por si mesma, por amigos ou familiares.

Temas como política, capitalismo, triângulo amoroso, racismo e xenofobia entram na pauta da piauiense com fortes laços potiguares – veio aos cinco anos de idade e tem familiares por aqui.

Veronica completa nove anos de Itália agora em dezembro, mas experiência em viver em outros países não falta. Ela já morou em Barcelona, Buenos Aires, Santa Cruz de la Sierra (Bolívia), Abdijan (Costa do Marfim), Brighton e Uckfield (Inglaterra), além de Brasília (DF) e Niterói (RJ) .

Desde 2007, ela reside na Itália com o marido e duas filhas – está em Greve In Chianti, cidadezinha próxima a Florença, há cerca de um ano. Foi dali que surgiu a ideia de escrever crônicas que valorizassem o conhecimento em psicologia cultural, ciência humana na qual está prestes a se formar.

veronica-botelho_2

“O fato de ter vivido em tantos lugares, fez eu me dar conta que cada um tem o seu tempo, cada coisa o seu momento”.

Apaixonada por Luís Fernando Veríssimo, Veronica diz que “As crônicas de Meias Verdades, pretende apresentar novas percepções, quebrar tabus, deixar perguntas e criar outras, provocar uma desconstrução do Eu, incentivar diálogos abertos, mas principalmente, pretende incentivar a não julgar. Porque no mundo real, não existe certo ou errado, justo ou injusto, é tudo uma questão de percepção analisada em cada contesto”.

Outro autor que costuma figurar em suas ideias é o polonês Zygmunt Bauman, de quem assistiu a uma palestra em outubro e comentou aqui no Substantivo Plural.

“Utilizo muitas citações antropológicas, psicológicas e filosóficas para explicar a tendência do ser humano em acreditar que é dono da verdade”.

Duas décadas sem morar no Brasil

Distante 20 anos do dia a dia brasileiro, Veronica Botelho tem sotaque indefinido e confessa dificuldade com a língua portuguesa – ela contou com edição de Ovídio Poli Júnior, do Selo Off Flip.

“Estou acabando psicologia e me especializando em psicologia cultural. O gênero de crônicas praticamente nasceu aqui [na Itália]. No início hesitei, porque meu português está muito enferrujado, são quase 20 anos que não moro ai. Palavras ganharam outros significados, muita coisa mudou, deixei um Brasil completamente diferente. Então foi uma maneira também de me reaproximar da minha cultura de base”.

A miscelânea cultural vivida desde a infância está presente nos escritos de Veronica Botelho – ela estudou medicina, direito e produção de eventos culturais.

“Normalmente escrevo na língua do país onde estou no momento. Então tenho muita coisa em italiano e catalão, que são os idiomas dos últimos lugares onde morei. Voltei a escrever em português este ano. As minhas verdadeiras competências são as experiências que vivi, que me fizeram desenvolver empatia com cada pessoa e cultura que encontrei pelo caminho”.

veronica-botelho-livroComo todo autor iniciante, bate ansiedade quanto à receptividade dos leitores. Por outro lado, a certeza de que foi honesta e positiva nas oito crônicas a tranquiliza.

“Escrever Meias Verdades para mim foi um divertimento, foi unir experiências a teorias. Aprendi muito durante o processo, e continuo escrevendo e aprendendo”.

Lançamento do livro Meias Verdades

Quinta-feira (15), a partir das 18h30

Na Livraria Saraiva do shopping Midway Mall

Share:

Comentários

Leave a reply