Geral

A “cultura “da Rosa

Por Fábio Herique Lima

Ontem no debate da intertv podemos conhecer a postura de Rosalba sobre a cultura potiguar,perguntada sobre a Lei Telma de Souza, que criou o fundo municipal de cultura da cidade de Mossoró e que ela própria passou oito anos na gestão do município e não fez a regulamentação, a senadora do DEM tergiversou e não respondeu a pergunta do candidato Iberê, não poderíamos esperar muito, pois a senadora em uma rara intervenção no plenário do senado afirmou ” O vale cultura é oportunismo para que o povo possa ir ao filme do Lula” para ela cultura são apenas os eventos , como o cidade junina em Mossoró, onde se gasta milhões com cachês nacionais de qualidade cultural duvidosa e se paga uma miséria ao artista local, ou melhor se gasta mais com banheiros químicos do que com os artistas locais, uma pergunta para a Rosa, quem da nossa terra o Mossoró cidade junina revelou durante todos estes anos? Quantos milhões foram gastos por lá? Não seria melhor investir este dinheiro em pontos de cultura, por exemplo?

Outro grave absurdo da Rosa foi a sua falta de conhecimento com relação ao funcionamento das casas de cultura, uma agressão a centenas de artistas que desenvolvem diariamente em suas cidades atividades de todas as expressões artísticas, só este ano a FJA realizou mais de 200 atividades nas casas de cultura, e alem disso, a maioria das casas se transformaram em pontos de cultura geridos por artistas e grupos de cada município.Ela sabe o que são os pontos de cultura? Acho que não, pois se soubesse não teria permitido que sua assessoria jurídica entrasse na justiça questionando o convenio que gere o programa no estado entre Minc e FJA. Lamento profundamente que uma mulher que tenha a pretensão de governar o nosso estado tenha uma visão e uma postura tão atrasada . Triste da nossa cultura se o povo escolher uma governadora desta, ainda há tempo pra mudar!

Share:
Tácito Costa

Comentários

4 comments

  1. Leônidas 29 setembro, 2010 at 10:47

    Aí está a lástima. Você vai lendo o texto e concordando. Quando chega ao fim descobre que não é uma crítica isenta e útil para a cultura ou coletividade. É apenas um boletim partidário. Essa turma pensa que todo mundo é besta. A diferença dos eventos de Rosalba para os pontos de cultura é apenas uma: O primeiro é só diversão, enganação da cultura. O segundo é só balcão, enrolação da cultura. E como ambos vão ganhar, o PT lá em cima e Rosalba cá embaixo, teremos balcão e diversão. Pão e circo. Lembram?

  2. Nabuco Pessoa 29 setembro, 2010 at 15:10

    Salutar o próprio diretor geral da FJA vir aqui debater, muito embora seu arrazoado atente contra os fatos. Vale sugerir a leitura desse documento:
    O RN na lanterninha da cultura nacional
    Por Yuno Silva
    enviado por e-mail

    Se você está ligado/a direta ou indiretamente ao segmento artístico-cultural vai se interessar pelo arquivo anexo.

    Trata-se de uma pesquisa realizada pelo Partido da Cultura – PCult sobre os investimentos em Cultura pelos Governos estaduais de todo o Brasil, que por sinal é o país de maior diversidade cultural do PLANETA! Os dados refletem a situação calamitosa em que se encontram alguns lugares. E pra (não) variar, o RN está na estaca ZERO – no rabo da fila, fechando a raia, na lanterninha, empatado com o Amapá.

    Temos que exigir destinação de recursos, dotação orçamentária, compromisso político, atenção, investimento, políticas públicas… quem sabe a criação de uma Secretaria de Cultura do Estado RN ou mesmo a formalização do Fundo Estadual de Cultura.

    Sabe qual é o pior? É que os políticos enchem a boca para dizer que Cultura não elege ninguém.

    Está na hora de virar esse jogo!

    Quem não quiser baixar o anexo, pode visitar o link abaixo:

    https://docs.google.com/fileview?id=0B7blGfF63QDXNGQwZjkxZWEtZTJlNC00MjcyLTgzYjctZWZjMWJmM2NkOGY5&hl=pt_BR

    Abraços,

  3. ronaldo nazário 29 setembro, 2010 at 15:22

    a diferença entre o debate de cultura do PT e do DEM é que um pensa cultura como patrimônio vivo da sociedade e política pública que precisa cada vez mais ser fortalecida e outro pensa como espetáculo, show, pirotecnia e reveillon. Precisa dizer quem pensa o que? se você já sabe, ótimo. Cada um produz seu papel e defende sua bandeira !!

  4. Ricardo Leite 29 setembro, 2010 at 16:35

    Parece que o diretor da FJA aí em cima, está meio que “jogando a toalha”, pelo que está escrito nas últimas linhas. Que pena que a atual gestão da fundação não possa mais continuar a editar livros, promover salões de artes visuais, alavancar a nossa lei de cultura, entre tantas grandes ações desta memorável passagem do sr. Crispiniano Nente à frente do órgão. Mas Dilma vem aí. Quem sabe lá por Brasília…

Leave a reply