Arqueologia cervejeira

Breno Machado
ColunistasGastronomia

Certos estilos perdem adeptos, com o passar do tempo, até não terem mais apelo comercial e simplesmente sumir; até que surgem os alucinados por histórias de cervejas, qual arqueólogos, e nutrem o desejo de trazer ‘velhas múmias’ à vida.

Confrade, eu preciso confessar uma coisa a você. Desde os nossos primeiros encontros, quando começamos a conversar sobre as unanimidades cervejeiras, o que eu estava realmente ansioso era para falar dos estilos, digamos… menos unânimes.

Não que nunca tenhamos falado deles antes.

Desde cervejas com alta carga de pimenta, cervejas de frutas ou MUITO ácidas, mas existem aquelas que são tão extremas ou peculiares que até os grandes compêndios de cerveja têm dificuldades de classificá-las, falando delas mais como um fenômeno histórico, quase como se estivesse diante de um fóssil.

Muitas vezes, a questão é simples: com o passar do tempo, certo estilo vai perdendo seus adeptos até chegar um ponto de não ter mais apelo comercial, e vai simplesmente sumindo.

Mas também surgem os alucinados pela história da cerveja que, qual paleontólogos, nutrem o desejo de ver materializados o que antes eram apenas antigos registros em recém-descobertos alfarrábios, tentando trazer velhas múmias à vida.

E muitas vezes eles conseguem, trazendo de volta estilos como a polêmica Gose.

Goslar_Germany

Fundada no século X, Goslar fica na Baixa Saxônia alemã e tem cerca de 50 mil habitantes.

Abrindo o sarcófago

Voltemos no tempo, para o ano de 1332, na cidade alemã de Goslar. Como de praxe no país, era abundante a quantidade de produtores (e bebedores) de cerveja, que utilizavam os recursos disponíveis para a elaboração de suas receitas.

No caso da supracitada cidade, ela era próspera na produção de trigo; abastecida pelo salgado rio Gose; embora abundante em coentro e especiarias, dispunha de muito pouco lúpulo; e, dado o fato de Goslar não fazer parte da Baviera, não foi obrigada a obedecer a Lei de Pureza de 1516.

O resultado desses fatores foi uma cerveja de fermentação espontânea, ácida, refrescante, condimentada e, pasme, confrade: salgada.

Tanta complexidade tornou a cerveja extremamente popular na cidade de Leipzig – e foi daí que a Gose, estilo batizado em homenagem ao rio, ganhou a Alemanha – Mas não toda ela, já que era uma receita de difícil conservação e as suas próprias características não a tornavam uma unanimidade.

Durante o século XX, o estilo foi oficialmente extinto, retornando apenas em 1986 quando Lothar Goldhahn reuniu escritos antigos sobre a produção de Gose e junto a Schultheiss, renomada produtora de Berliner Weisse, o estilo foi ressuscitado e reinventado em vários países – Como no Brasil, onde o estilo ganhou uma releitura baseada em uma mistura bem local!

CDB.3A do burro

O confrade já bebeu alguma vez uma mistura de cerveja, aguardente, sal e limão? Não, isso não é nenhuma penitência por ter perdido uma aposta. Na verdade é um drink bastante popular, que recebe a carinhosa alcunha de “cu de burro”.

E foi pela semelhança dos caracteres salgados, secos e cítricos que a cervejaria cigana curitibana Morada Cia. Etílica resolveu elaborar a sua Gose e batizá-la com o simpático nome do drink, atenuando o coice verbal chamando o rótulo simplesmente de CDB.

Nota da CDB

Se eu dissesse ao confrade que tenho convicção de que você vai se encantar com o conjunto visualmente dourado, claro e turvo, o aroma cítrico o gole ácido, seco e salgado, eu estaria mentindo.

Mas se você tem curiosidade pelo universo das cervejas extremas, e tem a curiosidade arqueológica de conhecer estilos que fizeram parte da história da cerveja, fica o convite para degustá-la. O certo é que não haverá meio-termo!

Ein prosit!

Já conhece a CDB? Ficou com vontade de conhecer, ou provou depois de ler nossa coluna? Tem dicas de lugares para encontrá-la, ou de alguma harmonização interessante? Não deixe de postar seu comentário neste nosso espaço de divulgação da cultura cervejeira.

CDB

A CDB tem média de preço entre R$20,00 e R$30,00 (Garrafa de 350 ml) e pode ser encontrada em lojas de cervejas especiais de Natal.

E então, que cerveja é essa?

Nome: CDB

Cervejaria: Morada Cia. Etílica

País de origem: Brasil

Estilo: Gose

Álcool: 4,8% ABV

Harmonização: Ostras frescas, caldo de feijoada, frango a passarinho.

Temperatura ideal: 0-4 °C

Copo: Caldereta

Share:
Breno Machado

Comentários

Leave a reply