MaisPoesiaPoetas e Poesias

Cativos

Eram feito dois ímãs
Obstinados
A pregarem-se
Atraírem-se
Como objetos
Cativos
Um do outro
Talvez
Pelo aroma
De tília que dela
Exalava
Nos momentos
Eternos do sexo.
Haveria sentimento
Nos gestos
No movimento em
Direção
Ao enlaçamento
Ao abismar-se
Um no outro
No entrar-se
No desmedimento
Vontades sem fundo
Contenda de
Corpos azougados?
Por anos remordeu
A dúvida que o consumia
Em noites, em claro
Para admitir
Bem depois
Uma quase certeza
Que tudo (ou quase)
Obedecia ali
À vontade
Não saciada da carne
À química tiranizante
Do sexo

Share:

Comentários

Leave a reply