Mais

Era uma vez um homem e seu tempo: Sávio Hackradt

Em artigos anteriores falamos sobre a importância de professores e editoras para a divulgação e preservação da cultura do nosso Estado. Hoje, nos reportamos àquelas figuras humanas, que de certo modo, colaboram, na maioria das vezes, de forma anônima e solitária com o nosso desenvolvimento cultural. O jornalista e escritor Sávio Hackradt é uma dessas personalidades. Uma pessoa, como algumas outras que trabalham discretamente, mas que fazem toda a diferença.

Nascido em Natal no dia 20 de outubro de 1956, Sávio é o mais velho dos quatro filhos do casal de funcionários públicos Ruth e Herwin. Viveu infância e adolescência na rua Trairi, em Petrópolis, Natal. Sua formação escolar teve inicio no colégio Sete de Setembro e, em seguida, foi transferido para o Colégio Marista, onde concluiu o ensino médio. Graduou-se em Comunicação Social pela UFRN no inicio dos anos 80. É casado com a experiente escritora e jornalista Dodora Guedes.

Depois de mais de vinte anos residindo e trabalhando, nas cidades de Brasília e São Paulo, Sávio retornou a sua querida cidade de nascimento, em 2009, atendendo a um convite para ser candidato ao Senado, numa chapa apoiada pelo Prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves. Foi dessa forma que ele estreou, oficialmente na politica, embora já tivesse bastante experiência na área devido aos anos que trabalhou como consultor.

Sávio Hackradt sempre foi um ativista, desde a época da faculdade, onde inclusive presidiu diretório acadêmico, e participou ativamente da luta contra a ditadura militar, além de ser um dos fundadores da Sociedade Civil de Defesa dos Direitos Humanos do RN e do movimento pela anistia. Em 1985, assumiu a assessoria de imprensa do Ministério da Administração a convite do ex-ministro Aluízio Alves. Como repórter cobriu trabalhos da Assembleia Nacional Constituinte, quando conviveu com diversos líderes políticos do Brasil, como Ulisses Guimarães, por exemplo.

Jornalista conceituado, Sávio tem importante atuação na mídia norte-rio-grandense. Entre os veículos em que trabalhou estão: TV Universitária de Natal, Rede Globo Nordeste, Rádio Rural, revista RN Econômico e jornais a República e Diário de Natal; foi presidente do Sindicato dos Jornalistas do RN e da Cooperativa dos Jornalistas de Natal.

Profissionalmente especializou-se em marketing político-eleitoral e comunicação pública na Escola de Comunicação e Artes da USP, e foi inclusive, professor convidado do curso. Desde início dos anos 80 exerce diversas atividades como profissional de marketing em campanhas eleitorais em vários estados do país. Tendo coordenado campanhas de vereador, deputado estadual e federal, governador, senador e até presidente da República, quando supervisionou a campanha de Mário Covas, candidato do PSDB na eleição de 1989, primeira campanha presidencial após a ditadura.

Ex-chefe do Gabinete Civil da PMN, ex-presidente da Urbana, Sávio se aventurou na área literária, na juventude, ao lado do poeta Carlos Gurgel; publicou “O Arquétipo da Cloaca – 3X4”, espécie de portfólio, em parceria com Carlos Gurgel, Carlos Paz e Flávio Américo.

Ano passado o entrevistamos para o site de outro competente jornalista, Tácito Costa, e dentre várias passagens interessantes destacamos a seguinte:

Sávio Hackradt, o que você considera mais difícil na carreira de jornalista? Qual a característica fundamental de um bom jornalista?

“O equilíbrio. O homem não tem equilíbrio. O homem só vê um lado. Aquele que mais lhe agrada. O bom jornalista luta pelo equilíbrio, mesmo sabendo que não vai alcançá-lo.”

Share:

Comentários

Leave a reply