Geral

Estado policial

lavatoga

O Brasil é hoje um Estado democrático de Direito? Não. O Brasil é um Estado policial de investigação. Sob a desculpa de combate à corrupção, acabou a hierarquia judiciária. O Juiz Sérgio Moro não se submete às instâncias antigamente superiores. Ele já declarou que as instâncias superiores são “lentas” e ele, o Juiz dos juízes, é ágil. O Tribunal Federal Regional do Paraná de cócoras. O que já é bem suspeito. E o Supremo? O Supremo tem Ministro que levou pau em concurso para Juiz de primeira instância. Tem Ministro que foi chamado de chefe de gangues, por colega, em plena sessão de julgamento. Tem Ministro, decano, que foi chamado de Juiz de merda pelo professor Saulo Ramos, que o pôs naquela corte. Tem Ministro que fez lobe para absolver o primo ex-Presidente. Não confundo Judiciário com Magistratura. A magistratura forma-se por concursos públicos e distribui Justiça. O Judiciário é um Poder, com todos os vícios que modelam os poderes. Essa operação “lava-jato” estabeleceu-se “Ad perpetuam rei memoriam”. Não tem fim. O não fim dela depõe contra seus operadores. Que coisa é essa? Que crime é esse cujos investigadores não conseguem chegar ao fim da investigação? Declaração de incompetência investigativa. O Brasil precisa dessa gente, tão eficiente, no combate ao tráfico de drogas, de armas e na luta contra a impunidade. Enquanto eles brincam de prender famosos, os traficantes agem. E a violência sem controle, no País policial e abandonado. Cuidam dos que são fáceis de prender e deixam soltos os que são difíceis de alcançar. Prender o ex-Ministro Mantega, retirado de um centro cirúrgico prova que essa gente não tem serenidade. A revogação de sua prisão foi a confissão de DOLO do Juiz nesse lamentável fato. E dizer que foi um infortúnio é uma piada. Serenidade é a principal virtude de um Juiz. Serenidade. Mesmo que seja um Juiz sem instâncias superiores. E Juiz sem instância superior é o atestado de um Estado Policial. Estado policial é uma desgraça histórica. Depois, não culpem a revolta dos humilhados. Justiça não existe para humilhar ninguém. Humilhação humana nega a determinação constitucional de que o Estado de Direito sustenta-se na dignidade da pessoa humana. Basta ler a Constituição. Depois da leitura do Mein Kampf.

Share:

Comentários

2 comments

  1. José Saddock 22 setembro, 2016 at 18:51

    François sabe o que diz – Concordo plenamente com o camarada François – digo mais: a Lava Jato lembra “O Processo” – lembra, pois jamais servirá para fazer um filme.

  2. Carlos 29 setembro, 2016 at 15:04

    Lamentável sim, mas me refiro a este artigo. O desespero é que não podemos “des-ler”, a alegria é saber que nunca mais lerei o autor.
    Amém.

Leave a reply