Geral

Eu e minha ansiedade

TAG. Esta é a sigla para Transtorno de Ansiedade Generalizada, uma companheira que tenho há muito tempo, mas que só agora a estou descobrindo. Foi por acaso. Fui a um psicólogo pedir sessões de acupuntura para relaxar do estresse e assim que me sentei já fui avisado da possibilidade de doença. Algumas semanas de tratamento depois, ele escreveu em um receituário o pré-diagnóstico. Embora os pressentimentos sejam bastante evidentes, a medicina precisa de um pouquinho mais de tempo para ser confirmado.

Lendo um artigo de Dráuzio Varela sobre o tema, comecei a confirmar os sintomas. Ele disse que se você é visto como alguém de estopim curto, que anda sempre com os nervos à flor da pele e tem muita dificuldade para relaxar, provavelmente tenha chegado a hora de procurar um médico para avaliar esse estado permanente de tensão e ansiedade.

Também disse que se você cobra muito de si mesmo, está sempre envolvido em inúmeras tarefas e pressionado pelos compromissos, deve tentar pôr ordem não só na agenda, mas também na rotina de vida, sem esquecer de reservar um tempo para o lazer. Se não conseguir sozinho, peça ajuda e é isso que estou fazendo. Aos poucos vou perdendo a vergonha e pedindo ajuda à minha esposa e aos médicos que tenho encontrado frequentemente.

Muitos sintomas caracterizam a TAG e dentre eles o que mais me afetava eram as dores de cabeça, constantes e surreais. Com o tratamento elas diminuíram, mas uma característica pessoal, a irritabilidade, ainda não. Talvez esta questão seja a que mais me deixou pensativo sobre tudo que ando descobrindo agora, porque explica muita coisa sobre mim e minha vida.

Os amigos brincam comigo por eu ser assim, insuportavelmente irritadiço, perfeccionista e ansioso demais. Tive inúmeros problemas em toda a minha vida. Fui, e ainda sou, chamado de arrogante, prepotente por muitos e isso limita bastante os meus relacionamentos. Isso também me envelhece. Nunca compreendi, por exemplo, porque era o cara mais odiado de minha turma na faculdade ou porque no trabalho tem sempre alguém que pergunta se estou de bem ou de mau-humor hoje.

Ao descobrir que tudo isso pode ser patológico caí em um poço profundo. Tenho descoberto que o meu quadro de Transtorno de Ansiedade Generalizada tem comorbidade (termo médico) com Transtorno de Humor. Isso significa que embora eu seja um sujeito chato, parte do meu mau-humor comportamental pode ser resultado destes sintomas que só agora tomo conhecimento. E aí fico imaginando quantas pessoas fiz sofrer, ou ainda faço nos meus arroubos, na minha pressa diária, na minha incessante angústia; esta velha pressa de viver. Quantos querem gostar de mim e eu não permito por ser assim transtornado desta ansiedade generalizada.

Então me questiono se o tratamento com ansiolíticos, exercícios físicos, acupuntura e sessões de terapia me transformará em outra pessoa e me tornará diferente ou, quem sabe, devolverá o eu que não conheço. Também fiquei pensando: se acaso eu pedisse desculpas aos que machuquei valeria de alguma coisa daqui pra frente.

Share:

Comentários

4 comments

  1. Clauder Arcanjo 31 maio, 2014 at 06:14

    Belo texto, amigo Paiva. Um detalhe: se o seu tratamento reduzir a sua capacidade laboral-literária, prometo processar o seu médico (risos…).

  2. Samara Cruz 1 junho, 2014 at 15:48

    Pegando uma carona no texto que me faz se sentir num espelho, digo que essa inquietação, essa angústia, é permanente em mim também. Principalmente por notar uma certa indolência nas pessoas, e percebe-las tão alienadas, que uma sensação de desespero e desprezo me assaltam e me tornam primeiramente assustado, e num segundo momento arrogante. Ora bolas, ninguém quer saber de nada, as pessoas acham que não são também responsáveis pelo “nosso belo quadro social”. Tenho uma impressão forte, que o meu mundo é um deserto e que minha teimosia é patológica. Enquanto meu caro Peixoto não procuro ajuda médica, por um defeito de falta de paciência, vou tentando me equilibrar cantando uma música aprendida na infância que sintetiza o que penso sobre o que a maioria das pessoas estão a fazer nas suas redes sociais. ” batatinha quando nasce se esparrama pelo chão, carrego papai no bolso e mamãe no coração, e o cachorro quando late no buraco do tatu, solta espuma pela boca e chocolate…..”

Leave a reply