Escreva, clique aqui. Usuário cadastrado clique aqui
quarta-feira, 23/04/2014 | Comentar

Reouvindo Chico II – Meu caro amigo

Por Marcos Silva

A canção “Meu caro amigo”, parceria de Chico Buarque com Francis Hime, foi lançada em 1976. A ditadura Geisel anunciava “abertura” e praticava assassinatos – Manoel Fiel Filho, em janeiro, e os comunistas Angelo Arroyo, João Drummond e Pedro Pomar, em dezembro. A...

email twitter facebook imprimir
terça-feira, 22/04/2014 | Comentar

Por um poema de Luis Cernuda

Por Carmen Vasconcelos

Por um poema que encontrei, escrevo. “Uns corpos são como flores.” Escreveu-o Luís Cernuda: “Uns corpos são como flores,/Outros como punhais,/Outros como fitas de água;/Mas todos, cedo ou tarde,/Serão queimaduras que em outro corpo aumentem,/Convertendo pelo fogo uma pedra num homem./Mas o homem...

email twitter facebook imprimir
terça-feira, 22/04/2014 | Comentar

Não criamos a palavra

Por Antonino Condorelli

A linguagem acalanta um excitante delírio: nos faz crer que não somos aquilo que pensamos, dizemos e entalhamos no papel, na tela, nas paredes, nos guardanapos, nas cascas das árvores. É o que escrevo, é o que digo, é o que penso....

email twitter facebook imprimir
terça-feira, 22/04/2014 | Comentar

Só e sozinho

Por Caetano Veloso

Vivo Cantando “Chora tua tristeza”, desde que aprendi no primeiro disco de Carlos Lyra. Gil é quem destacava Lyra e procurava tocar todas as suas composições.

 aqui

email twitter facebook imprimir
terça-feira, 22/04/2014 | Comentar

Literatura na Rússia e Turquia

Convidados da próxima Flip, a ensaísta americana de origem turca Elif Batuman (foto) e o escritor moscovita Vladímir Sorókin falam sobre o cenário literário do país de Dostoiévski…

aqui

email twitter facebook imprimir
Posts mais antigos

Poesia //

Ver todas
quarta-feira, 23/04/2014 | Comentar

A ETERNIDADE DE DEUS E DA TARDE

Por Eduardo Gosson

Para Suely Meneses

 São quinze horas

Na Pça. André de Albuquerque -

onde o português iniciou a Colonização

as repartições não vencem

a monotonia do quotidiano

 

Mas o repicar do sino

da igrejinha de Nossa Senhora

dos pretos do Rosário,

tendo o Rio Potengi

e a Cidade do Natal ao lado,

anuncia a beleza de Deus

e da tarde.

 

(17.04.2014)