CrônicaMais

Pílulas para o Silêncio (Parte CXXIV)

Para Mário de Carvalho

Um Deus passeou pelo calor da tarde e… enfiou o pé na bunda, com medo de tanta desgraça.
— Ardo, tardo, contudo, hoje, fujo e calo-me.
Antes de ganhar o éden, foi assaltado na esquina seguinte; roubaram-lhe credos e orações. Desesperado, Ele pediu carona a um passante, que jogou rogos de “Vai para lá, Satanás!” na sua face abobalhada.

***

Mal chegou ao céu, o Divino convocou anjos e arcanjos e vomitou impropérios:
— O que fizeram com tal lugar, minha gente?
Duas almas recém-chegadas, com ares de leso espanto, ajoelharam-se e pediram para ficar por aqui, nem que fosse para queimarem, eternamente, nas gavetas das fornalhas do inferno.

***

No dia seguinte, o Deus sacrificado jogou uma pátina mercurial, “Eis o meu sangue!”, na alvorada cativa de uma lépida e triste manhã.
Os homens, com os olhos fitos na barra, acharam tão louçã a cena que clamaram:
— Ô coisa danada de bela, galera!

***

Na esquina da tarde que haveria de vir, eis que o poeta louvaria, apesar dos cardos, que: “Brilha o céu, tarda a noite, o tempo é lerdo, a vida baça, o gesto flácido”.

***

Caso Deus aqui retorne, persistirá a mesma solene desgraça; porém, desta feita, de calma feita, com o frescor bizarro no regaço da poesia.

clauderarcanjo@gmail.com

Share:

Comentários

1 comment

Leave a reply