Geral

Poesia

Estou radicalizando, meus amigos, por favor me perdoem a pressa. Mas agora, só vou procurar poesia onde ela realmente não exista.

Share:

Comentários

10 comments

  1. Edjane Linhares 5 março, 2012 at 18:58

    Enquanto isso, conserve aquela flor de pétala partida. Mesmo que não procure, ela se encontra no seu quintal. Abraços duplos.

    Que flor é esta?

    Pequena, branca e…
    com uma pétala partida.

    Não sei o seu nome.
    Fumante passiva, só observa.
    Talvez, velha na essência,
    mas, descoberta há pouco,
    é um poço de juventude.
    Prazer em vê-la disfarçada,
    exposta só para mim.
    Nos tornamos cúmplices
    de dúvidas e certezas.
    Decepção em não ser igual as outras?
    Procuro por perfeição e felicidade?
    No seu canto vive,
    encanta,
    a minha flor de pétala partida.

  2. Jarbas Martins 7 março, 2012 at 07:14

    Tenho certeza que a poesia não está neste hai-cai, que fiz para uma foto de Eduardo Alexandre: Cais sonhos sobrados/ zona de sombras e néon/ um amor – Ribeira – descarrilhado.

  3. Jarbas Martins 7 março, 2012 at 07:34

    Há muito disse aqui, no SP, que a poesia estava, sim, em tudo que Edjane Linhares publicava.Até na tessitura do seu nome e sobrenome. E ela – “flor de pétala partida” – tem consciência disso.

  4. Edjane Linhares 10 março, 2012 at 13:04

    Jarbas sempre gentil. Sou apenas uma aspirante a aprendiz. Te enviei (email) algo falando sobre isso. Um abraço.

  5. Jarbas Martins 10 março, 2012 at 19:45

    Caríssima Edjane,bastante atarefado com as aulas e livros que estou organizando, tenho passado ligeiramente por aqui.Razão porque, somente agora, vi o seu comentário.O seu e-mail não vi em minha caixa abarrotadíssima.Gosto do que você escreve e, como falei, já tive oportunidade de dizer isso, neste SP, há algum tempo.Um abraço.

Leave a reply