Uma amorosa prenda sonora

Carlos Gurgel
ColunistasMúsica

o novo trabalho de Valéria Oliveira lança sua sonoridade em direção a uma planície repleta de pedras preciosas. a linhagem do samba de Valéria é como um refinado, estiloso, cintilante ritmo. ela nos embala como uma intérprete que ousa o tempo todo, a lapidação de um batuque tão declaradamente criativo, escrito e vestido de um claro e inquestionável talento.

unnamedouvir o samba de Valéria é se esbaldar como revelação de um samba que tem a face do puro encanto. a batida do samba de Valéria é apaixonante porque sua voz e o “time” dos músicos que a acompanham sabem exatamente encontrar a sofisticada bossa, ginga, malemolência de uma música que reina de tanta beleza e pura magia.

faço essa confissão porque a cada novo trabalho da sofisticada, exigente e declaradamente elegante cantora nossa, se revela explicitamente, claramente, seu compromisso com um repertório que cada vez mais imprime uma delicadeza, refinada forma de ser. me anima sobremaneira ouvir Valéria e suas filhas sonoras. tudo que está contido em MIRÁ, título do seu novo CD, nos permite sonhar e imaginar um mundo cada vez mais belo e mágico.

Valéria, desde seu início, demonstra um irrecusável compromisso com seu canto. ofício que faz, para quem o escolheu, um exercício diário de tanta paciência e interminável manufatura com suas criações. por acompanhar sua música, praticamente desde seu início, a mim se mostra sua voz e violão, como uma sensibilidade bem acima do que estamos acostumados a ouvir pelo cidade e por outros estados sonoros da nossa continental terra. sua voz, a cada novo ano, imprime um rigor e a possibilidade de novos acordes, como a presença de um dedicado esforço na direção de novos timbres. torna-se claramente perceptível que as nuances que a sua voz agora se mostra, enriquece nossa audição como a nos aproximar de um belo e encantador resultado.

quanto às suas canções, o que se percebe não é diferente do que foi dito quanto a sua voz. elas, as composições, estão seguramente em progressiva maturidade, credenciando críticos brasileiros e plateias das outras regiões do nosso país, de se armarem com seus elogios, e desfraldarem o reconhecimento do seu belo arco sonoro. as letras das composições, afirmam e seguem, esse curso, como baliza e bússola, como revelação de um cd consistente e pronto para ser motivo de orgulho para inúmeros e exigentes ouvidos.
unnamed (1)
o elenco de músicos que acompanha Valéria, cada vez mais, forma uma seleta colheita, apanhado apurado técnico, virtuoso e exemplarmente afinado com o samba que sai da língua/boca de Valéria. então ouvi-la inquestionavelmente faz bem a alma e acaricia nossos mais íntimos desejos.

definitivamente a poesia que a música de Valéria nos presenteia, é vestida de ouro e prata. ouro, porque o significado desse repertório quando somos seus fãs, é deleite e jardim do prazer. e prata, porque reluz nossos corpos, tingindo nossa pele de um cortejo de palmas e infindáveis novas audições. coroando todo esse triunfo, a capa e corpo visual do cd, tem a assinatura de Elifas Andreatto. e toda a produção do cd, da competentissima Monica Mac Dowell.

tenho muito mais a dizer, mas o ímã que a arte de Valéria exerce sobre nossos corações, faz do tempo uma perfeita paixão de tanta musicalidade e amor. que Valeria cada vez mais presenteie todos nós com sua refinada, esculpida, bela arte musical. nada como numa noite de sábado ouvir Valéria e seus preciosos sambas, motivo mais que suficiente para que esse tempo e suas simpatias, encontrem a tão sensível delicadeza dos repiques e da ourivesaria que suas canções nos declaram. abra seu coração, pois Valéria chegou desfolhando seu terreiro apaixonante e demasiadamente inesquecível.

Share:
Carlos Gurgel

Comentários

Leave a reply