MaisSociedade

Apologia da arte: Quando a arte não é arte

Edilberto_Apologia da Arte 2

Viram um homem nu e uma criança, dois signos conjugados que significam pedofilia na cabeça de muita gente; os defensores da moral tiveram o cuidado de borrar o sexo do homem, mas não o rosto da criança e de sua mãe.

Ilustração: Cihan

“Isto não é arte”, gritava um colérico rapaz barbudo, cabelos tosados, de camisa esportivo-social levemente desalinhada. Ele estava no meio de uma turba enfurecida.

Sua frase se espalhou feito rasto de pólvora assumindo colorações e conotações conforme se alastrava em meio à  multidão.

“Lixo de arte”, “Arte é lixo”, “Morte à arte”, “Pra que arte?”, “Vade retro satanarte”.

Esta última foi mais ou menos como ouviu uma senhorita com ares de senhora, de cabelos escorridos sobre um dos olhos, e blusa branca de golas grandes, sob que se via um crucifixo.

A situação começa a ficar tensa, a cólera é sempre assustadora e ninguém sabe do que é capaz uma multidão ensandecida.

Em tempos hodiernos, em que gritam, babam e praguejam, as pessoas filmam, fotografam, fazem self e compartilham alucinadamente.

Xingando a arte de pedófila, fazem navegar na rede milhares de vezes a mesma criança tocando o pé de um homem nu. A imagem da criança surfa na rede.

Os defensores da moral têm o cuidado de borrar o sexo do homem, embora não tenham o mesmo zelo com o rosto da criança e de sua mãe.

É mister aplacar os ânimos. Creio que, neste caso, só se conseguirmos responder à pergunta complexa revelada desde o princípio: “O que é arte?”

Apenas respondendo a este mantra milenar talvez possamos dirimir a fúria que beira o colapso.

É mister a apologia da arte. Definamos a arte sob risco de afundarmos no caos. Arvoro-me a fazer, cônscio de enveredar por um caminho inquietante para os mais argutos pensadores.

Faço-o por dever cívico: nossa nação está em risco de afundar na barbárie.

Edilberto_Apologia da Arte 2_

Performance “La bête”, de Wagner Schwartz, no 35º Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo.

E agora, há um homem nu ali?

O ví­deo pisca em milhares de aparelhos mundo afora e adentro, entre play e pause o tempo todo, enquanto incógnitos pedófilos escondidos atrás de telas de notebooks e celulares bebem a imagem da criança, dando asas à imaginação pervertida.

Eles sentem prazer com o mesmo pensamento que levou milhares a compartilhar a cena: Há um homem nu ali que contrasta com a inocência da criança.

É justamente naquele vídeo que não há mais arte, a arte se perdeu no momento em que a pedofilia ganhou asas.

Ali não está mais a arte, porque a arte não é a vida.

A vida não é arte pelo que aquela tem de inconstante e acidental. Na vida não há nem o espaço nem o tempo de criação. Na vida nada se cria, tudo se transforma, dizia antigo poeta.

Quem se arroga a organizar e planejar a vida, ilude-se com a ideia de que a vida seja igual a arte. Em geral, está fadado ao fracasso ou à insânia.

A vida é um acidente. A arte é criação. A vida é caos, a arte é cosmo. O artista, apropriando-se de uma linguagem (seja a palavra, a imagem, o som, o corpo), modela um organismo em vista de um significado. A vida é feita de fenômenos, e os fenômenos não têm significado.

A arte é feita de linguagem em busca de sentidos. É o outro que imbrica aquele objeto artí­stico à vida. É o outro quem estabelece a relação da obra com o mundo, e eu só teço esta relação, calcado na forma como eu vejo o mundo. Aí­ está o nó da discórdia. Alguém viu o nu e a criança. No seu repertório de vida, os dois signos conjugados significam pedofilia.

Ben Tolman

Ilustração: Ben Tolman

Semente da discórdia

Feita a leitura, o rapaz barbudo de cabelos bem tosados e uma camisa esportivo-social levemente desalinhada ficou colérico e gritou aos quatro cantos sua dúvida existencial:

“Isto é arte?” Ao que a senhorita com ares de senhora, de cabelos escorridos cobrindo um dos olhos, e com blusa branca de golas grandes, sob que se via um crucifixo, ouviu: “Vade retro, satanarte”. Estava plantada a discórdia.

A vida não é arte. A arte é um espelho que reflete a nós mesmos apesar da vida…

É preciso por isso uma apologia da arte. E para isso, precisamos aprender a nos olharmos ao espelho.

Share:
Edilberto C.

Comentários

Leave a reply