Agenda

Galo dos Perturbados anima carnaval no Centro Histórico

Galo_dos_Perturbados

Cinco bonecos gigantes homenagearão figuras históricas do centro, como o ex-Rei Momo Paulo Maux, o poeta Pedro Grilo, o músico Mainha, Gardênia e o comerciante Nazi

O tradicional bloco O Galo dos Perturbados vai cantar alto no terreiro do Centro Histórico, na terça-feira gorda de carnaval (28). Pelo sétimo ano consecutivo, a agremiação percorrerá as principais vias da Cidade Alta, arrastando uma multidão calculada em três mil e quinhentos foliões.

A concentração terá início às 16 horas, no Bar do Naldo, localizado na praça João Tibúrcio, na rua Padre Pinto. O rolé pelo Centro Histórico está marcado para 17h30.

Quarenta músicos comporão a banda formada graças ao edital Carnaval Multicultural 2017, da Fundação Cultural Capitania das Artes (Funcarte) e Secretaria Municipal de Cultura (Secult).

A novidade este ano é que os shows musicais ocorrerão nos jardins da Pinacoteca do Estado, e não mais na rua Padre Pinto.

De acordo com o idealizador do bloco, Naldo Alves, os shows na Pinacoteca começam às 20 horas, com Pedro Mendes e banda. Em seguida, sobe ao palco a banda Performance, que traz à frente a cantora Kelly Aguiar.

“A gente espera mais de três mil foliões este ano. O acesso à Pinacoteca será somente com a camiseta do bloco, que custa R$ 20,00. No total são 700 camisetas. A procura está ótima. Esperamos zerar o estoque”, presume o carnavalesco.

Aliás, a banda Performance também será responsável pela prévia d’O Galo dos Perturbados, no dia 25 próximo, no Bar do Naldo, onde tudo começou.

Galo_dos_Perturbados01Atrações do Galo dos Perturbados

As atrações do bloco consistem na presença de cinco bonecos gigantes que homenagearão figuras históricas do centro da cidade, como o ex-Rei Momo Paulo Maux, o poeta Pedro Grilo, o músico Mainha, Gardênia e o comerciante Nazi, numa parceria com o bloco “Nazi vai à Ribeira”, além do galináceo gigante, o mascote d’O Galo dos Perturbados.

“Dois motivos nos levaram a optar por um espaço fechado para a festa. Um deles foi o custo financeiro que tornou inviável a festa ao ar livre. O outro foi a segurança dos foliões”, explica Naldo Alves.

Ele garante que o folião disporá, na Pinacoteca, de uma tenda gigante para se abrigar, caso chova, banheiros químicos e um bar aberto para saciar a sede, afora os shows.

Share:

Comentários

Leave a reply