Destaque

O reino da Temelândia faz um ano

temer

Nesta sexta-feira, 12 de maio, o reino da Temelândia completa um ano. Bastariam os números dos institutos de pesquisa para atestarem sua trajetória exitosa. Alguns falam em 93 por cento de aprovação. Outros em 96 por cento.

Fiquemos, então, com uma média, 95 por cento, e ninguém fala mais nisso. Isso porque enfrenta a oposição obcecada e virulenta dos meios de comunicação, liderados por Globo e Veja. O judiciário também não ajudou. Senão teria fechado nos 100 por cento de aprovação. O que interessa é que foi um ano de realizações.

Impossível dizer onde se avançou mais nestes doze felizes meses. Se na proteção aos índios; na defesa do pré-sal; no respeito aos direitos humanos; no aumento do emprego; no número de ministros impolutos; nos direitos trabalhistas; no melhoramento da previdência; no Ciência sem Fronteira; no Minha Casa Minha Vida; no aumento de recursos à educação; no papel de vanguarda do Minc…

temer2Claro, Michel foi eleito e cumpre programa aprovado nas urnas. Isso se chama respeitar o voto do eleitor. Ora direis, coerência. As urnas legitimaram esse modernizante, debatido e pactuado programa de governo. Não é a toa que ele já está sendo chamado de estadista.

Difícil entender como 7 por cento ou 4 por cento desaprovam um gestor, para usar a palavra da moda, com tanta coisa bacana para mostrar. Esse papa é mesmo um herege, negou-se a vir ao Brasil ver o progresso e o bem estar social. A CNBB não fica atrás, na sua obstinada teimosia contra as reformas. Como podem não aplaudir rol tão exuberante de ações e boas intenções?

E os trabalhadores, esses é que não captaram mesmo o espírito da coisa. Não entendem que devem se sacrificar e que mudanças são necessárias para tudo continuar como antes? Ou pior?

Mas não, impacientes, os mais agitados ocupam as ruas, atrapalhando o tráfego de veículos e impedindo quem quer trabalhar. A imparcial e apartidária imprensa nacional mostrou isso durante a greve geral de abril. Algumas tvs passaram mais de 12 horas exibindo os problemas causados pelo travamento das vias e a falta de transportes coletivos.

“Como o sr/sra. vai fazer para chegar ao trabalho”? Era a pergunta de dez entre dez repórteres.

“Eu estou aqui há 3 horas esperando o ônibus, isso é um absurdo, não respeitam o nosso direito e ir e vir”, respondiam dez entre dez entrevistados.

Alguns políticos e comentaristas políticos mais inteligentes defenderam que a greve deveria ser no domingo ou feriado. Para não provocar transtornos. Como ninguém pensou nisso antes? Calharia mudar de nome também. Que tal piquenique?

E assim se passou um ano. Metade do mandato. Sob o reino da decência, do cassetete e cinismo. Graças a Deus, o país está entregue a um governo, judiciário e congresso acimas de quaisquer suspeitas, de quem se pode comprar um din-din sem medo.

Share:
Tácito Costa

Comentários

2 comments

  1. Luis Sávio Dantas 27 maio, 2017 at 16:41

    Tácito, segundo o procurador Janot, Temer fez uma confissão de cometimento de crimes, ao comentar o áudio que Joesley gravou da conversa com ele. Eu posso dizer que também, ao falar do crime perfeito, ele Temer, deve ter se “tocado” que o seu papel no golpe de estado que está em curso no Brasil, é o do protagonismo de um capacho. Explicando: Os EUA, usaram os grampos da roubalheira dos partidos na Petrobrás, para queimar LULA, e o PT, e conseguirem o impeachement, usaram para isso o chantagista Cunha e o golpista Temer. Agora Moro ao absolver Claudia Cruz, selou o silencio de Cunha, após a confissão criminosa de Temer, que por isso perderá também o mandato,_Feito isso _ escolherão( os EUA) candidatos indiretos que impedirão as eleições de 2018, farão com que se aprove a anistia do caixa dois de campanhas políticas, fazendo com que todos os políticos por gratidão aprovem todas as reformas que eles querem. Realmente um crime perfeito!

Leave a reply