Crônicas e Artigos

Pílulas para o Silêncio (Parte CIX)

mar

Tudo que brilha sobre o manto da politicalha traz o lume de ouropéis de biltres.

***

Noite alta, o verso cala sobre a mesa posta com livros mal dispostos. No canto, Fernando Pessoa me manda uma mensagem advinda do mar português: “Ó Poesia, quanto do teu mal são lágrimas deste venal?”
Deus à poesia deu o mar poético, mas nele é que afogou os maus eus-líricos.

***

No tombadilho do navio-poema, a cena se repete: os homens ocos se lavam e se enxaguam com versos aguados… mal rompe a manhã.

***

Toda cidade, todo estado, todo país… tem o poeta que merece.

***

Na vileza da vida, o demônio é o que o menos nos castiga. Apenas, paciente, ele espera que o mal nos domestique.
clauderarcanjo@gmail.com

Share:

Comentários

Leave a reply