POETA DA SEMANA: Pedro Ivo

DestaquePoetas e Poesias

Para uns conhecido como Pedro Ivo, para outros Ped-urso. Poeta, artista de rua, pichador, grafiteiro; rótulos não cabem. Humano errante das ruas. Acerta com o stencil a trajetória pública ao social, e segue intervindo com o graffiti nas ruas da cidade. Poesias, músicas, tattoo, aquarelas, pirogravuras, stencils, lambes, stickers, camisas, oficinas e free-hands, são algumas das suas variadas formas de agir nas artes plásticas, musicais e da escrita, com cores, formas, palavras, personas e tinta, não importa a finalidade ou linguagem artística. O que ele quer? Unir olhares, dos que admirem ao dos que façam arte. De cá resolvemos pinçar uma de suas habilidade. Portanto, Pedro Ivo é o nosso POETA DA SEMANA:

Ponte Metálica

Escolhem a fala
Sem rima rica nas rimas rasas
Afundam ouvidos
Mísseis degradam casas
Continuam a guerra
Por contos e fadas
Povo morrendo de sede
Seca cultura descasca
Continuam pelo dinheiro
Duelos herdeiros
Melhor mesmo escapar
Dos cortes das balas
Soletram
Piores créditos direitos
Subtraindo tempo
Estudo nas covas rasas
Fazem políticos
Santos casamenteiros
Roubo marido
Esposo da máfia
Contrabando legalizado
Pelo voto do bezerro
Curral eleitor
De quatro patas
Desconversa monopoliza
Palco contrato governo
Fecha gravadora
Em casa alugada
Público é o hospital
Sem remédio ou curandeiro
Deboche da grande mídia
Continua jornal da esplanada
Diferenças sociais
Conversa de guetos
Mulheres, negros,
Mendigos, sem-teto
Conversam vivem na caça
Queremos comum
Os mesmos vencermos
Sem distinção da pele
Credo forma que fala
Difícil apagar
Pavio do morteiro
Morte começa
Pela palavra errada
Acusam como certos,
Desviam seus erros
Continuamos atolados
Na lama da alma
Espíritos desordenados
Corpos travados medo
Com coca receita falsa
Emprego dos olhos
Vigia em silencio
Mudanças do reino
Das mesmas desgraças
Levanta sua mão
Olha a cor dos dedos
Veias, sangue
Tudo passa
Depois vai querer
Do relógio ponteiros
Será tarde o momento
Quando noite já marca

———

Oração ao caos

que as roupas e mentes sujas sejam lavadas em água corrente
que os preguiçosos ceguem ao mirar na vitóra alheia
que os detentores de rancor e ódio se afoguem na saliva e derivem
que as mentiras dupliquem causando convulsões compulsórias
que a falsa mão estendida caia derramando dos pulsos todo sangue
que a boca que fale da vida alheia deixe a alma da cor do enxofre
que toda pena torne vincos de chumbom na testa
e que a dor de cabeça da inverdade nunca cure ate a morte
que a boca entorte ao esnobar o defeito do próximo
e que o joelho quebre ao imitar o andar da velha deficiente
que toda palavra dita sem pensar vire oposto causando embaraço
fazendo o corpo perde-se no deserto árido
que a última grama de ar da ofensa proferida por preconceito
seja para incinerar em chamas sua lingua
que o pedido excedente de ganância e luxúria torne pobreza mazela incurável
peço ao dono dos méritos e das lamas podres,
cuide de nosso desgoverno ate que a morte nos repare

———

Canal de Baixo

Desconhecia o desprezo
Fui apresentado à arrogância
Beijando forte o medo
Aperto a mão da bondade
Fechando os olhos ao segredo
Me chama a loucura
Quem responde é o vento
Perdido ouço a procura
Feliz não tendo conceito
Amizade apenas com tolerância
Esquecimento me deixou querendo
Menos do amor, mais da esperança
Correndo do frio pelos becos
Sentido calor de criança
O tempo não me olhou direito
Passando a namorar a lembrança
Hiperativos meus sentimentos
Gastaram energia e elegância
Devendo mais que o desejo
Abri curiosa e gentil demanda
Corpo e matérias do cheiro
Cheia de pudor veio a ganância
Consumindo tudo com o silencio
Esqueceu apanhar quando laranja

———

Domínio Público

Da mente,
da cabeça,
da copia,
da careta.
Da ponte ,
da favela,
do ponto,
de pontos ,
da titela,
do titulo,
tela,
de litros,
de tinta,
da guerra.
Do pingo a pingo
da trégua,
do tinto,
do seco,
do Ze ruela.
Deu branco no canto ,
deu merda,
da gente que sinta,
que neva,
do frio,
do bril,
detesta,
da trena,
quimera, do fogo
sem velas,
da simples caneta,
canela, que o jogo,
entrega

———

10653317_857040374375896_4045763847227503095_n

———

11042660_809512932461974_883369123122058630_n

———

11401557_854577231288877_3226025803840208669_n

———

11898864_894012350678698_5128247975796861005_n

Share:

Comentários

Leave a reply